11 Frevo em Tamandaré

(Antonia Adnet / Daniel Basilio)

Sei qualquer razão
Que o tempo tem
Que o sentimento
Há de vir sem querer
Que venha
Há de, assim, suspender
O ar

Em cada passo
Em cada abraço
Há pouco espaço à solidão...
Coisa de aventura
Coisa de loucura
Nem lá, nem cá,
Não sei...

Aconteceu
De ser assim
Que um fim-de-tarde
Há de vir sem querer
Que venha
Há de, assim, suspender
O ar

Um coração
Que nunca para
Não repara a solidão...
Coisa de criança
Coisa da lembrança
Nem cá, nem lá,
Sei não...

Sombra, o caramanchão
Poeira e cal
Águas de igarapé
A rede, o sal
Noites de lampião
O vento, o mar
Frevo em Tamandaré
E o tempo vai...

Hoje, ao cair do dia,
Quase não me valia
A mim a vida mais...
Hoje, talvez eu veja,
Tudo que eu mais desejo
É sempre amar demais...

Voltar para página do cd

participação especial Joyce Moreno
arranjo, violão e voz Antonia Adnet
acordeon Marcos Nimrichter
clarinete Joana Adnet
sax tenor Yuri Villar
trompete Aquiles Moraes
trombone Everson Moraes
baixo acústico Jefferson Lescowich
bateria Antonio Neves
percussão Armando Marçal